em silêncio.

Tenho rimado em excesso
Mas o excesso somos nós dois
Pego tuas mãos e submerso
Em nosso erros sem pesar no depois

Tenho falado demais
Mas és tu o que tem me sobrado
Nos prometemos o para sempre e o jamais
E ficamos presos ao passado

Tenho escrito de menos
Gastando meu tempo me perguntando
O que fizemos de certo e o que fizemos de errado
Tomando de teu veneno
Deixando meu corpo abandonado

Tenho perdido minha vez
Te deixando falar, te deixando entrar
Sem licença, com insensatez
Abandonando também minha crena
Em Deus e em mim

Tenho rimado tudo com fim
A rima mais fácil e ágil
Que sai quase que viva por meus dedos
Tenho te guardados segredos
E todos eles começam e terminam assim:

em silêncio...

0 Comentários: