Sem bombas


É aquela coisa de saber exatamente onde está pisando, em quem confiar, para qual abraço correr, que mão segurar...
Não existe medo aqui. Não existe aflição. Sem cobranças e sem ataques de fúria, ciúme, insegurança.
Depois de tanto tempo com medo das bombas escondidas no piso,  meus passos ainda são cuidadosos mesmo quando já não há essa necessidade. Parece que a qualquer momento, o mundo explodirá sob mim e eu cairei... Mas não é assim. Nunca precisou ser.
Só que eu não sabia. Acreditava que o amor era essa coisa de nunca saber o que vem depois... Nunca saber se o que a outra pessoa diz é verdade ou não. Nunca saber se ele te ama de volta ou apenas mente, se apenas quer rimas bonitas em um texto superestimado que é escrito e esquecido.
Não. O amor é uma tarde dormindo à luz do Sol, com o mesmo perfume solto no ar; O amor é eu te olhando nos olhos e me vendo refletida neles, um sorriso em meus lábios cheios de beijá-lo antes de dormir. Amor é não pensar duas vezes antes de dizer que preciso de ti nos tempos ruins e nos tempos bons. Que seja para chorar, que seja para sorrir.
Eu sei onde piso agora e o chão é firme e me segura aqui e já não quero mais correr ou fugir. Quero estar aqui.
Contigo.



0 Comentários: