Minhas Quatro Palavras


Sabe o que eu sinto?
Esperança.
É quase dor, meu amor
Sabe que minto quando digo que já cansei de te esperar

E eu ainda espero
Porque a esperança me banha feito o sol da manhã
Como nós dois na minha cama
É o que eu quero

Minha mente, nem sempre tão sã
Reclama, reclama
Pedindo alguma coisa que não tem nome

É fome

Lá fora, a Lua Cheia zomba de mim
Parece tão feliz consigo mesma
Brilhando como minhas lágrimas no fim
E tudo que eu queria era um poema

E eu ainda tenho essa esperança imbatível
Mesmo com teus golpes duros e teu ódio imprevisível
Peço forças a deuses do mal
Analisando cada mudança astral... Como se eu pudesse mudar o que já passou

Acabou.

E se foram minhas quatro palavras
Como você se foi.


Mas eu ainda tenho esperança, não tenho?
Não é o que eu devo ter?

Tudo que eu queria ter...
Desculpe, é você.

1 Comentários: