(sem nome)

***

Adoraria dizer que teu beijo não me afeta
Que os boatos não me deixam em claro a madrugada inteira
Adoraria desdizer que foi por tua causa que não fui àquela festa
Adoraria dizer que nenhuma dessas frases é verdadeira

Mas te prometi que não mentiria
Mesmo quando quero socar teu peito e dizer que te odeio
Você me seguraria, me beijaria, riria e iria
Esse amor é tão, mas tão feio que eu acho perfeito

A aurora chega para me torturar
Para me jogar na cara que mais uma noite passei em companhia da solidão
E mesmo que eu tentasse revidar
Ela iria rir e nocauteada eu cairia ao chão

Não me faça abrir os olhos se não vou te ver
Não me faça acordar se nos sonhos você ainda está aqui
Por favor, por favor não me faça querer te esquecer
Não me faça ter que admitir que mais uma vez eu me iludi, que eu perdi

Ah! Como eu gostaria de dizer que não lembro teu nome, não lembro do teu sorriso
Que não sei de cor teu telefone, que já esqueci da sensação de enrolar nos meus dedos
teu cabelo liso

Mas nada disso é verdade, e sim, eu sinto saudade
Sim, eu quero te amarrar na minha cama para toda a eternidade
Sim, meu coração te ama e eu não quero amor-piedade
Então não venha com falsidade, oferecendo o que você não pode dar, não quer dar,
aquilo que é caro demais para eu pagar

Então sou eu quem diz adeus?
Então sou eu quem finge que esqueceu?
Por que eu?
Por que eu?

Diga você que vai embora e vá
Por favor não demora e vá
Vá para sempre e não me leve junto
Vá para sempre enquanto eu ainda te insulto
Vá, por favor, por favor vá antes que eu não possa mais controlar meu próprio amor...

P.S.”Esse *** é o titulo do poema, porque com a minha “vasta” imaginação eu não consegui criar algo decente”

0 Comentários: